Início  |  CNIP  |  Webmail  |  Área Restrita  |  Contato
São José dos Campos - 3RE



O Caráter de um Metodista






Untitled document

 

Por John Wesley

 

"Não como se eu já tivesse conseguido!".

Ao leitor:

 

1. Assim que o nome foi conhecido no mundo, muitos estavam perdidos quanto ao que significava Metodista; quais os princípios e prática daqueles que são comumente chamados por esse nome; e quais as marcas peculiares dessa religião "a qual tem sido, em todos os lugares, falado contra".

 

2. E, sendo, geralmente, acreditado que, eu era capaz de dar um relato esclarecedor dessas coisas, (já que eu tenho sido um dos primeiros a quem esse nome foi dado, e a pessoa, pela qual as demais supõem que ele esteja direcionado), eu tenho sido chamado, de todas as formas, e com a mais extrema seriedade, a assim proceder. Eu me rendo, pelo menos, à importunidade contínua, tanto de amigos quanto de inimigos; e agora faço o mais claro relato que eu posso, na presença do Senhor e Juiz dos céus e da terra, sobre os princípios e prática, por meio dos quais, aqueles que são chamados Metodistas são distinguidos de outros homens.  

 

3. Eu digo aqueles que são chamados Metodistas; porque, deixe isso ficar, bem observado, esse não é um nome que eles pegaram para si mesmos, mas um fixado sobre eles, através do caminho da reprovação, sem a aprovação ou consentimento deles. Ele foi, primeiro, dado a três ou quatro jovens de Oxford, por um estudante da Igreja de Cristo; em alusão aos Physicians (médicos), assim chamados, que ensinavam que todas as doenças podiam ser curadas através de um método específico de dieta e exercícios, tanto quanto da observação deles de um método mais regular de estudo e comportamento, do que aquele que era usual aos da mesma idade e situação deles.

 

4. Eu poderia regozijar-me (tão pouco ambicioso eu sou para ser o mentor de qualquer doutrina ou partido), se esse nome nunca mais fosse mencionado, mas fosse queimado no esquecimento eterno. Mas se isso não pode ser, que, pelo menos aqueles que irão usá-lo, saibam o significado da palavra que eles usam. Não permita que lutemos sempre na escuridão. Venham, e nos deixe olhar, uns aos outros, na face. E, talvez, alguns de vocês que odeiam aquilo do qual eu sou chamado, possam amar aquilo que eu sou, pela graça de Deus; ou melhor, o que "eu sigo, se eu compreender que, através disso, eu também sou compreendido de Cristo Jesus".


O Caráter de Um Metodista

 

1. As marcas peculiares de um Metodista não são as opiniões dele de qualquer tipo. Sua concordância a esse ou aquele sistema religioso; ele abraçar algum grupo particular de idéias, sua adesão ao julgamento de um homem ou de outro, estão todos, completamente, longe do ponto. Quem quer que, entretanto, imagine que um Metodista seja um homem desse tipo, ou dessa opinião, é, grosseiramente, ignorante de toda a questão; ele se equivoca da verdade, totalmente. Nós acreditamos, realmente, que "toda Escritura é dada pela inspiração de Deus"; e onde nós somos distinguidos dos judeus, turcos, e infiéis. Nós acreditamos que as palavras escritas de Deus sejam regra única e suficiente, tanto de fé como de prática cristã; e onde nós, fundamentalmente, somos distinguidos daqueles da Igreja Católica. Nós acreditamos que Cristo seja o Deus eterno e supremo; e onde nós somos diferenciados dos "Socianians" e Arianos. Mas, com respeito a todas as opiniões, que não colidem com a raiz do Cristianismo, nós pensamos e deixamos pensar. De modo que, o que quer que eles sejam, se certos ou errados, eles não são as marcas distintas de um Metodista.

 

2. Nem são as palavras ou frases de qualquer tipo. Nós não colocamos nossa religião, ou qualquer parte dela, sendo atada a qualquer modalidade peculiar de falar, grupo fantástico ou incomum de expressões. Diante de outros, nós preferimos as palavras mais óbvias, fáceis e comuns, tanto nas ocasiões costumeiras, como quando falamos das coisas de Deus. Nós nunca, entretanto, de boa-vontade, ou intencionalmente, desviamos da maneira de falar mais usual; a menos, quando nós expressamos as verdades bíblicas, nas palavras bíblicas, as quais, nós presumimos, nenhum cristão irá condenar. Nem nos afligimos a usar quaisquer expressões particulares das Escrituras, mais freqüentemente, do que outras, a menos que elas sejam usadas, mais amiúde, pelos próprios escritores inspirados. De maneira que é um erro grosseiro colocar as marcas de um Metodista em suas palavras, como, nas opiniões de toda espécie.

 

3. Nem nós desejamos ser distinguidos por ações, costumes, ou usos, de uma natureza imparcial. Nossa religião não se coloca fazendo o que Deus não tem se alegrado, ou abstendo-se daquilo que ele não tem proibido. Ela não se coloca na forma de nossos trajes, na postura de nossos corpos, ou na cobertura de nossas cabeças; não ainda, em nos abster do casamento, ou de carnes e bebidas, as quais são boas, se recebidas com ações de graça. Entretanto, nem irá homem algum, que conhece, a respeito do que ele afirma, fixar as marcas do Metodista aqui —, em alguma ação e costume, puramente, indiferente, indeterminado pela palavra de Deus.

 

4. Nem, ultimamente, ele é distinguido por colocar toda a tensão da religião em alguma parte singular dela. Se você disser: "Sim, é, porque ele pensa 'que nós somos salvos pela fé somente'": Eu respondo: Você não entendeu as condições. Através da salvação ele quer dizer santidade de coração e vida. E isso ele afirma brotar da fé verdadeira apenas. Pode algum cristão comum negar isso? É isso que está colocando uma parte da religião para um todo? "Nós, então, podemos invalidar a lei através da fé? Deus proíbe! Sim, nós firmamos a lei". Nós não colocamos o todo da religião (como muitos fazem, Deus sabe), em não fazendo mal algum, ou em fazendo o bem, ou em usando as ordenanças de Deus. Não, não em todas elas, juntas; em que nós sabemos, por experiência, que um homem pode trabalhar muitos anos, e, ao fim, não ter religião; não mais do que ele tinha no começo. Muito menos, em qualquer um desses; ou, e pode ser, em um pedaço de algum deles: como ela que se acredita uma mulher virtuosa, apenas porque ela não é uma prostituta; ou ele que sonha que é um homem honesto, meramente, porque ele não rouba ou furta. Possa o Senhor Deus de meus pais, preservar-me de tal religião pobre e faminta como essa! Fossem essas as marcas de um Metodista, eu logo escolheria ser um sincero judeu, turco ou pagão! 

 

5. "Qual, então, é a marca? Quem é um Metodista, de acordo com o seu próprio relato?" Eu respondo: Um Metodista é aquele que tem "o amor de Deus derramado por todo seu coração, pelo Espírito Santo dado a Ele"; alguém que "ama o Senhor seu Deus com todo seu coração, e com toda sua alma, e com toda sua mente, e com todas as suas forças. Deus é a alegria em seu coração, e o desejo de sua alma; a qual está, constantemente, clamando: Quem eu tenho, nos céus, a não ser a ti? Não há ninguém sobre a terra que eu deseje, além de Ti! Meu Deus e meu tudo! Tu és a força de meu coração, e minha porção para sempre!". 

 

6. Ele é, contudo, feliz em Deus, sim, sempre feliz, como tendo nele, "um poço de água, fonte da vida eterna", e transbordando sua alma com paz e alegria. "Amor perfeito", tendo agora, "lançado fora o medo", ele "se regozija sempre mais". Ele "se regozija, sempre, no Senhor", sempre "no Deus, seu Salvador"; e, no Pai, "através de nosso Senhor Jesus Cristo, por quem ele tem agora recebido a redenção". "Tendo" encontrado a "redenção, através de seu sangue, o perdão de seus pecados" ele não pode deixar de se regozijar, sempre que ele olha para trás, para a cova horrível, de onde ele foi liberto; quando ele vê "todas as suas transgressões e iniqüidades apagadas, como uma nuvem". Ele não pode deixar de se regozijar, quando ele olha para as condições em que ele está agora; "sendo justificado, livremente, e tendo paz com Deus, através de nosso Senhor Jesus Cristo". Porque "ele que acredita, ter o testemunho" disso "em si mesmo"; sendo agora o filho de Deus, pela fé. "Porque ele é um filho, Deus tem enviado adiante o Espírito de seu Filho, no seu coração, clamando: Abba, Pai!". E "o próprio Espírito é testemunha com seu espírito de que ele é um filho de Deus". Ele se regozija também, quando ele olha, para frente, "na esperança da glória que deve ser revelada"; sim, essa sua alegria é completa, e todos os seus ossos clamam: "Abençoado seja Deus, e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, de acordo com sua abundante misericórdia, tem me recriado na esperança viva — da herança incorruptível, inviolável, e que não se desvanece, reservada, nos céus, para mim!".

 

7. E ele que tem sua esperança, assim "cheia da imortalidade, em todas as coisas, agradece"; como sabendo que (o que quer que elas sejam) "é a vontade de Deus, em Cristo Jesus, concernente a ele". Dele, no entanto, ele, carinhosamente, recebe tudo, dizendo: "Boa é a vontade do Senhor"; e se o Senhor dá ou tira, igualmente, "glorifica o Seu nome". Porque ele tem "aprendido, em qualquer condição que esteja, nesse momento, estar contente". Ele sabe "ambos, como ser humilhado, e como estar em abundância. Em todo o lugar, e em todas as coisas, ele está instruído a estar saciado e a estar faminto; a estar em abundância e a sofrer necessidade". Se, no bem estar físico, ou na dor; na doença ou na saúde, na vida ou na morte, ele agradece das profundezas de Seu coração a quem ordena isso para o bem; sabendo que como "todo dom agradável vem do alto", então, nada, a não ser o bem pode vir do Pai das luzes, daquele, em cujas mãos ele tem, completamente, colocado seu corpo e alma, como nas mãos do Criador fiel. Ele tem, então, "cuidado" (ansiosamente, ou despreocupadamente) "de nada" tendo "colocado todas as suas preocupações Nele que cuida por ele", e "em todas as coisas" descansa Nele, depois "de fazer seu pedido conhecido a Ele com ações de graças".

 

8. Porque, realmente, ele "ora, sem cessar". É dado a ele "sempre orar, e não fraquejar". Não que ele esteja sempre na casa de oração; embora ele não negligencie a oportunidade de estar lá. Nem que ele esteja sempre de joelhos, apesar de estar, freqüentemente, ou com seu rosto diante do Senhor seu Deus. Nem ainda ele está sempre clamando alto para Deus, ou o chamando em palavras: Muitas vezes, "o Espírito intercede por ele, com gemidos que não podem ser exprimidos". Mas todo o tempo, a linguagem do seu coração é esta: "Tu, esplendor da glória eterna, junto a ti está meu coração, embora sem voz, e meu silêncio fala junto a ti". E essa é a verdadeira oração, e apenas essa. Mas seu coração está sempre erguido para Deus, todo o tempo, e em todos os lugares. Nisso, ele nunca é obstruído, muito menos, interrompido, por qualquer pessoa ou coisa. Sozinho ou acompanhado, nos momentos de folga, no trabalho, ou conversando, seu coração está sempre com o Senhor. Se ele se deita, ou se levanta, Deus está em seus pensamentos; ele caminha com Deus, continuamente, tendo o olho do amor de sua mente, ainda fixado Nele, e em todo o lugar, "buscando a Ele que é invisível".

 

9. E, enquanto isso, ele, desse modo, sempre exercita seu amor a Deus, orando, sem cessar, regozijando-se, sempre mais, e em todas as coisas dando graças; seus mandamentos estão escritos em seu coração: "Que, ele, que ama a Deus, ame ao seu irmão, também". E ele, concordantemente, ama seu próximo, como a si mesmo; ele ama cada homem, como sua própria alma. Seu coração está cheio de amor para com toda a humanidade, para com todos os filhos do "Pai de todos os espíritos de toda a carne". Que um homem não lhe seja conhecido, pessoalmente, não é barreira alguma a seu amor; não, nem àquele que ele não aprova que recompense sua boa-vontade com ódio.  Porque ele "ama seus inimigos"; sim, e os inimigos de Deus, "o mau e o mal agradecido". E se não está em seu poder "fazer o bem a quem o odeia", ainda assim, ele não cessa de orar por eles, embora eles continuem a rejeitar seu amor, e ainda "maliciosamente, o usem e o persigam".

 

10. Porque ele é "puro de coração". O amor de Deus tem purificado seu coração de toda paixão vingativa, da inveja, malícia e ira, de todo temperamento indelicado ou afeição maligna. Isso o limpou do orgulho e altivez de espírito, de quem, sozinho, emana contenda. E ele agora está "cheio de misericórdia, delicadeza, humildade de mente, brandura, e longanimidade": De modo que ele "abstém-se e perdoa, se ele tem alguma disputa com alguém; assim como Deus, em Jesus Cristo, o perdoou". E, realmente, todo possível motivo para contenda, de sua parte, é extremamente, cortado fora, Porque ninguém pode tirá-lo do que ele deseja; vendo que ele "ama não o mundo, nem coisa alguma dele"; sendo agora "crucificado para ele, e o mundo crucificado nele"; sendo morto para tudo o que nele está, para "a cobiça da carne, a cobiça dos olhos, e o orgulho da vida". Porque "todo seu desejo está em Deus, e na lembrança de Seu nome".

 

11. De acordo com esse seu único desejo, é o único objetivo de sua vida, ou seja, "não fazer a sua própria vontade, mas a vontade Dele que o enviou". Sua única intenção todo esse tempo e, em todas as coisas não é, agradar a si mesmo, mas a Ele que a sua alma ama. Ele tem um único olho. E, porque "seu olho é único, todo seu corpo é cheio de luz". De fato, onde o olho de amor de sua alma é, continuamente, fixo em Deus, não pode haver escuridão, afinal, "mas o todo é luz; como quando a luz brilhante da vela ilumina a casa". Deus, então, reina sozinho. Tudo o que está na alma é santidade para o Senhor. Não há um movimento em seu coração, a não ser o que está de acordo com a Sua vontade. Cada pensamento despertado aponta para Ele, e está em obediência à lei de Cristo.

 

12. E a árvore é conhecida por seus frutos. Porque como ele ama a Deus, então ele guarda seus mandamentos; não apenas alguns, ou a maioria deles, mas todos, do menor ao maior. Ele não está satisfeito em "manter a lei toda, e ofender em um ponto"; mas ele tem, em todos os pontos, "a consciência, sem ofensa, para com Deus e para com o homem". O que quer que Deus tenha proibido, ele evita; no que quer que Deus tenha se alegrado, ele faz; e mesmo que isso seja pequeno ou grande, difícil ou fácil, jubiloso ou doloroso, para a carne. Ele "executa os mandamentos de Deus", agora que ele tem o coração livre. É sua glória, então, fazer isso; é sua coroa de regozijo, diariamente, "fazer a vontade de Deus sobre a terra, como ela é feita nos céus"; sabendo que é o mais alto privilégio dos "anjos de Deus, daqueles que se sobressaem, em força, para cumprir Seus mandamentos, e escutar atentamente a voz de Sua Palavra".

 

13. Todos os mandamentos de Deus, ele, concordantemente, mantém, e isso, com todo sua força. Porque sua obediência está em proporção ao seu amor, a fonte de onde isso flui. E, por conseguinte, amando Deus com todo seu coração, ele serve a ele com toda sua força. Ele, continuamente, apresenta sua alma e seu corpo, como um sacrifício vivo, santo e aceitável a Deus; inteiro e sem reservas, devotando a Ele, tudo o que tem, tudo o que é, para sua glória. Todos os talentos que ele tem recebido, ele, constantemente, emprega, conforme a vontade do Mestre; cada poder ou faculdade de sua alma, cada membro de seu corpo. Uma vez, ele "consentiu que eles fossem instrumentos da iniqüidade, para o pecado", mas, agora "tendo nascido dos mortos, ele consente" que todos eles "sejam instrumentos da retidão para Deus". 

 

14. Por conseqüência, o que quer que ele faça, é tudo para a glória de Deus. Em toda sua ocupação, de toda a espécie, ele não apenas concentra seus esforços, (que implica em ter um único olho), mas, atualmente, ele consegue isso. Suas ocupações, ou suas horas de repouso, tanto quanto suas orações, tudo serve a esse grande fim. Se ele está sentado em sua casa, ou caminhando; se ele se deita, ou levanta, ele está promovendo, em tudo que fala ou faz, a única ocupação de sua vida; se ele coloca seus trajes, ou trabalha, ou come e bebe, ou se diverte do trabalho exaustivo, isso tudo tende ao crescimento da glória de Deus, pela paz e boa-vontade entre os homens. Sua única e invariável regra é essa: "O que quer que seja feito, em palavra ou ação, fazer tudo, no nome de Nosso Senhor Jesus, dando graças a Deus e ao Pai por ele".  

 

15. Nem os costumes do mundo, afinal, o impedem de "correr a corrida que está colocada diante dele". Ele sabe que os maus hábitos não perdem sua natureza, embora sempre se tornem tão na moda; e lembra que "todo homem deverá dar um relato de si mesmo a Deus". Ele não pode, por conseguinte, "seguir" mesmo a "multidão para fazer o mal". Ele não pode "passar, suntuosamente, bem, todos os dias", ou "fazer provisão, para a carne se encher de cobiça, depois disso". Ele não pode "deitar tesouros na terra", não mais do que ele pode botar fogo em seu próprio peito. Ele não pode "adornar a si mesmo", por qualquer pretensão, "com ouro ou trajes suntuosos". Ele não pode tomar parte, ou encorajar alguma diversão que tenha a menor tendência ao vício de qualquer espécie. Ele não pode "falar mal" de seu próximo, nada mais do que ele pode mentir, tanto para Deus quanto para o homem. Ele não pode expressar uma palavra indelicada de alguém; por amor, ele mantém fechados seus lábios. Ele não pode dizer "palavras vãs"; "nenhuma comunicação corrupta" deverá "sair de sua boca, como todas aquelas que não são boas para o uso da edificação", não "adequadas para ministrar graça aos ouvintes". Mas "por mais que as coisas sejam puras, por mais que sejam amáveis, por mais que sejam", justamente, "de boa reputação", ele pensa, ele fala, ele age, "adornando o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, em todas as coisas".

 

16. Por último. Sempre que pode, ele "faz o bem a todos os homens"; seu próximo, e estranhos; amigos e inimigos: e de toda a forma possível; não apenas aos seus corpos, "alimentando o faminto, vestindo o nu, visitando aqueles que estão doentes ou na prisão"; mas, muito mais, ele trabalha para o bem da alma deles, com a capacitação que Deus lhe deu, para acordar aqueles que dormem na morte; trazer os que estão acordados para o sangue reparador, que, "sendo justificado pela fé, eles podem ter paz com Deus"; e provocar aqueles que têm paz com Deus, para abundar ainda mais em amor e boas obras. E ele, de boa-vontade, "passa e vai passar nisto", mesmo "para ser oferecido no sacrifício e serviço da fé deles", de maneira que eles possam "todos chegar na medida e na estatura da plenitude de Cristo".   

 

17. Esses são os princípios e práticas de nossa religião; essas são as marcas de um verdadeiro Metodista. Por meio dessas apenas, aqueles que estão, no ridículo, assim chamado, desejam ser distinguidos de outros homens. Se algum homem disser, "Mas esses são apenas os princípios comuns fundamentais do Cristianismo!". Tu o disseste; então, eu concordo; essa é a própria verdade; eu sei que não existem outras; e eu gostaria, em Deus, que tu e todos os outros homens soubessem que eu, e todos os que seguem meu julgamento, recusam-se, veementemente, a serem distinguidos de outros homens, a não ser pelos princípios comuns do Cristianismo — o claro, e velho Cristianismo que eu ensino, renunciando e abominando todas as outras marcas de distinção.  E a quem quer que eu pregue, (deixe-o ser chamado, pelo que ele deseja, porque nomes não mudam a natureza das coisas), ele é um cristão, não apenas no nome, mas, no coração e na vida. Ele está, interiormente e exteriormente, em conformidade com a vontade de Deus, como revelada, nas palavras escritas. Ele pensa, fala, e vive, de acordo com o método estabelecido, na revelação de Jesus Cristo. Sua alma está renovada, na busca da imagem de Deus, na retidão, e em toda santidade verdadeira. E tendo a mente que estava em Cristo, ele, então, caminha como Cristo também caminhou.

 

18. Por essas marcas, por esses frutos da fé viva, nós trabalhamos para distinguir a nós mesmos do mundo descrente, de todas aquelas mentes ou vidas que não estão de acordo com o Evangelho de Cristo. Mas dos cristãos reais, quaisquer que sejam as denominações deles, nós, sinceramente, não desejamos ser distinguidos, afinal; não daqueles que, sinceramente, buscam o que eles sabem que eles ainda não têm obtido. Não: "quem quer que faça a vontade de meu Pai, que está nos céus, o mesmo é meu irmão, e irmã, e mãe". E eu imploro a vocês, irmãos, pela misericórdia de Deus, que nós não sejamos, de modo algum, divididos, entre nós mesmos. Está teu coração comigo, como o meu está contigo? Eu não farei mais perguntas. Se assim for, dê-me tua mão. Por opiniões ou termos, não nos deixe destruir o trabalho de Deus. Tu amas e serve a Deus? É o suficiente. Eu dou a você a mão direita do companheirismo. Se existe algum consolo em Cristo, se existe algum conforto de amor, se alguma amizade do Espírito; se existe misericórdia; permita que nós nos esforcemos, juntos, pela fé do Evangelho; caminhando dignos da vocação, pela qual, nós fomos chamados; com toda humildade e brandura, com longanimidade, tratando com clemência, um ao outro, no amor, esforçando-nos para manter a unidade do Espírito, nos laços da paz; lembrando que há um corpo, e um Espírito, mesmo quando somos chamados com uma esperança de nosso chamado; "um Senhor, uma fé, um batismo; um Deus e Pai de todos, que está acima de tudo, e através de tudo, e em você todo".   

 

 

Traduzido por: Izilda Bella

 






Busca de Conteúdos no Portal

Cadastro Nacional de
Igrejas e Pastores

Pesquise também:

Versículo do Dia

A ansiedade no coração do homem o abate; mas uma boa palavra o alegra.


PROVÉRBIOS 12.25

Boletim Eletrônico
Informe seu nome e e-mail, para receber nosso boletim eletrônico.
Nome:
E-mail:
Enquete
Quem te indicou nosso site?
Nossa Igreja (Central) ou Congregação (Vila Ester)
Sites de Pesquisa (Google, Bing, Ask, etc.)
Um amigo (a) ou conhecido (a)
O boletim de nossa Igreja
Outro (Comente)
Último Comentário
marco
(20/09/2014 15:18:53)
estou fazendo um curso teologico e gostaria de conhecer as igrejas
Parceiros
 
 
 
 
 
 
São José dos Campos - 3RE
Rua Nassau, 218
Vila Rubi - São José dos Campos - SP
12245-591
(12) 3942-4556
contato@imsjcampos.metodista.org.br
Desenvolvido por: